domingo, 10 de abril de 2011

Calça não pode, mas adultério poooooode!




Este texto tem a intenção de trazer à tona toda a hipocrisia, falsa santidade, abuso de liderança e poder vistos por mim nestes meus treze anos de evangelho. De forma bem humorada, ou melhor, humor negro, preste atenção em cada frase, você pode se identificar com alguma. Não vou citar nomes, mas tenho certeza que para bom entendedor meia palavra basta.

Calça não pode, mas adultério pooooooode!

Passar esmalte na unha não pode, mas falar da vida alheia pooooooode!

Ir ao estádio de futebol não pode, mas escutar duas horas de pregação (HERESIA) pooooode!

Usar o dízimo para ajudar os irmãos menos favorecidos não pode, mas usar para comprar um carro novo para o filho do pastor pooooooooode!

Usar as ofertas na própria congregação não pode, mas pagar faculdade e terreno para o filho do pastor poooooooooode!

Viajar com o namorado não pode, mas namorar com ímpios poooooooooode.

Passar o fim de semana com os amigos num hotel não pode, mas “dormir” com o namorado ímpio pooooooode.

Usar saia acima do joelho não pode, mas casar com descrentes poooooooode.

Faltar culto não pode, mas perder o marido por ter que ir à igreja de segunda à segunda poooode.

Ficar na internet não pode, mas passar horas “conversando” na cam com só Deus sabe com quem pooooode.

Se envolver com política não pode, mas ser coagido a votar no candidato escolhido pela convenção poooooooode.

Ir ao cinema não pode, mas tentar roubar o marido e o namorado das amigas poooooooode.

Chegar atrasado na EBD não pode, mas humilhar os irmãos de púlpito poooooooode.

Aumentar o salário dos missionários não pode, mas pagar 20 salários mínimos para o pastor presidente poooooooode.

Enfim, queridos.... O jugo que estão colocando em nossas costas é pesado demais. Muito do que é dito é basicamente para nos alienar ainda mais. O povo erra porque lhes falta conhecimento. Ser protestante hoje é ser problemático, é ser rebelde...Isso é o que querem que pensemos. Além disso, existem os que exalam uma santidade exacerbada e por dentro estão como sepulcros caiados. Precisamos ter mais sabedoria e estabelecer um posicionamento CONTRA esses falsos moralistas que para os membros impõem cargas duras e pesadas, mas para si fazem o que lhes agrada e convêm. O julgo de Jesus é suave, leve. Deixemos de ser ignorantes e hipócritas! Vivamos o verdadeiro evangelho que para Jesus é direcionado por intermédio do Espírito Santo e esclarecido através da bíblia sagrada.


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Antônia Lúcia e o deputado federal Silas Câmara: casal ENCRENCA


Infelizmente, uma de minhas conterrâneas...

A deputada federal estreante Antônia Lúcia e o deputado federal Silas Câmara, reeleito para o quarto mandato, têm muito em comum. Eles são evangélicos, líderes da Assembleia de Deus e filiados ao mesmo partido, o PSC. Casados, moram na mesma casa, em Manaus. A única diferença é que foram eleitos por Estados diferentes: ele pelo Amazonas, ela pelo Acre. O caso pode parecer estranho, mas é formalmente legal. Foi a maneira encontrada para driblar a lei. Se tivessem o título de eleitor no mesmo Estado, não poderiam ser candidatos ao mesmo cargo. Em Brasília, vão morar juntos, no apartamento funcional ocupado por Silas. Mesmo assim, ela não abriu mão do auxílio-moradia de R$ 2.500 por mês.

O truque do registro em outro Estado e a apropriação questionável dos R$ 2.500 são as dúvidas mais leves que pairam sobre o casal. Antônia responde a sete ações no Acre: compra de voto, falsidade ideológica, fraude processual, formação de quadrilha, peculato, uso de caixa dois e falso testemunho. Um pedido de prisão preventiva chegou a ser aprovado em 2010. Os desembargadores entenderam que ela tinha fornecido endereço falso para se livrar de intimações e atrasar processos. Entre eles está um em que é acusada de distribuir 1.200 litros de combustível numa carreata.

Silas não é menos enrolado. Ele foi investigado pela Polícia Federal (PF) a pedido da Justiça Eleitoral do Amazonas. Escutas desvendaram as peripécias do casal nas campanhas simultâneas. O caso mais grave foi em setembro, quando a PF prendeu Heber e Milena Câmara, filhos do casal que estavam com R$ 475 mil sem origem declarada. O Ministério Público diz que o dinheiro tinha sido enviado pelo marido, do Amazonas, para a campanha da mulher, no Acre. Seria gasto com a compra de votos e despesas de caixa dois.

As escutas mostram que Antônia e Silas se assustaram, mas não se intimidaram com a prisão dos filhos. Por telefone, ela deu a notícia ao marido: “Nossos dois filhos foram presos na PF”. Ele perguntou sobre a acusação. Resposta: “Não sei. Pode (ser o) dinheiro?”. Silas concluiu: “Pode. Estou orando que não seja”. A oração não funcionou. A prisão foi mesmo por causa do dinheiro.

Há dez anos, Silas é réu em um processo que corre em segredo no Supremo Tribunal Federal (STF). Em 2009, também foi denunciado por falsidade ideológica e uso de um RG falso em procurações e alterações de contratos sociais de uma empresa da qual era sócio. Se for condenado, perde o mandato e pode pegar até cinco anos de prisão.

Silas e Antônia têm quatro filhos. Os mais velhos dirigem a TV Boas Novas e uma rede de rádio no Amazonas e no Acre. É o maior conglomerado de comunicação evangélica do Norte, mas Silas e Antônia não constam como dirigentes. Segundo a PF, o casal usava as emissoras ilegalmente para fazer campanha. Silas cometeu outras ilegalidades que podem resultar em cassação. Entre elas, permitiu que a mulher usasse um celular da Câmara na campanha.

Questionado sobre as denúncias, o casal respondeu por meio de uma nota única, como se fosse uma entidade. Eles dizem que o dinheiro apreendido com os filhos não era deles. Sobre o processo no STF, Silas alega inocência. “As acusações têm origem em denúncias absolutamente improcedentes, maquinadas há mais de dez anos por adversário político com interesses paroquiais”, diz.

Texto: Época